Wish


Hey!
Desculpem-me não ter postado anteriormente, tive alguns contratempos. Hoje venho falar um pouco de um mangá que me encantou principalmente pelo traço; atento bastante para esse aspecto, e confesso que sou bem chata em relação a isso. O fator que mais me motivou a lê-lo foi o fato de ser produzido pelo Clamp (e sou bem suspeita para falar desse grupo), então já esperava provavelmente uma boa leitura.

Sem mais embromações, vamos ao enredo:



A história começa quando Shuichiro Kudo, um cirurgião, encontra um pequeno ser entre algumas árvores; ele logo imagina que possa ser uma criança ou mesmo uma boneca, mas repara em algo diferente em suas costas. De repente, aquela criaturinha vê-se atacada por um corvo, e então o homem a ajuda. Ela agradece a boa ação e apresenta-se como Kohaku, um anjo. Shuichiro, imaginando estar tendo vislumbres devido ao cansaço do trabalho, não dá muito crédito ao relatado. 

Pelo auxílio prestado quando estava em perigo, pois o corvo do ataque servia a um demônio, Kohaku dispõe-se a oferecer algo em troca. O médico continua descrente na situação. O anjo o acompanha até chegar em casa, e indaga se poderia ficar pelo jardim. Crendo que aquilo seria apenas um sonho, Shuichiro permite. Ao despertar no dia seguinte e, vendo que Kohaku ainda estava por ali, Shuichiro tem a certeza de que não estava sonhando. É então que o anjo apresenta-se em sua forma normal, pois durante a noite assume uma aparência pequenina por ainda ser um aprendiz, e insiste em fornecer algo em agradecimento a ajuda; Shuichiro poderia fazer um pedido e ele se tornaria real.

Porém, o homem afirma não ter desejo algum, e acredita que se uma pessoa tem um desejo, cabe a ela esforçar-se para torná-lo real. O problema é que, segundo Kohaku, voltar para o céu sem ter retribuído o favor lhe prejudicaria, então pede para ficar por lá até que possa ajudá-lo. O homem deixa, mas insiste que o anjo não conseguirá tirar um desejo dele, mas Kohaku tem esperança de que conseguirá. 

Posteriormente, Kouryu, um demônio, aparece. O corvo servia a ele. E, basicamente, o que ele faz é atormentar a vida de Kohaku. Ao contrário do anjo, ele assume a forma de chibi durante o dia, e toma sua forma normal à noite.

Estava indo tudo bem, até um Mensageiro do Senhor chegar a Kohaku, para alertar sobre o fator que impulsionou sua ida à Terra: o anjo havia pedido permissão para encontrar Hisui, arcanjo do vento, que estava desaparecida. Se ela não fosse encontrada a tempo, seria banida do céu. Quando Hisui finalmente aparece, ela revela que não voltará, porque já não é mais um anjo por ter se relacionado com Kokuyo, filho de Satã. Por isso, ela não poderá ir para o céu, nem para o inferno. Logo, Shuichiro recebe novos hóspedes em sua casa (que, a essa altura, tá mais para a casa da Mãe Joana). O enredo então passa a girar em torno da questão de Hisui e da missão de Kohaku.

Personagens principais:


Estive visitando alguns fóruns sobre o mangá, e uma dúvida frequente era: seria esse um mangá shonen-ai? O principal fator apontado é um diálogo entre Kohaku e Shinichiro Kudo, avô de Shuichiro. Quando perguntado se é um menino ou uma menina, Kohaku afirma apenas ser um anjo, e deixa essa interrogação na mente do(a) leitor(a), embora o mangá esteja classificado como shoujo, pelo menos na maioria dos sites que visitei. Creio que esse seja um aspecto um tanto subjetivo.


O mangá não ganhou anime, mas possui um musical, que você poderá conferir abaixo (embora eu tenha achado as musiquinhas um tiquinho chatinhas):


Encontrei o mangá em português disponível no My Otaku Style.

Por hoje é só. Até mais!  
      

Nenhum comentário:

Postar um comentário